Na rodada de abertura da terceira etapa da LDB 2013, o Allianz/Ginástico teve que lutar até o fim. Depois de abrir 12 pontos de frente durante o terceiro quarto, a equipe mineira precisou segurar uma reação do Tijuca Tênis Clube para levar a melhor no duelo realizado nesta quarta-feira, no Ginásio da Gávea, no Rio de Janeiro, pelo placar de 61 a 59.

Após o bom terceiro período, a equipe comandada pelo técnico Jefferson Teixeira viu os rivais reduzirem sua vantagem no placar para apenas um ponto durante a parcial final. Sem se intimidar, o clube de Belo Horizonte não abaixou a cabeça e manteve a tranquilidade para conquistar sua nona vitória na competição Sub-22. Agora, o Ginástico soma 32 pontos na tabela de classificação, enquanto que os cariocas aparecem com 29 pontos.

“Foi uma partida em que as duas equipes tiveram chances de sair com a vitória. No final soubemos usar a vantagem que conquistamos durante o terceiro quarto e levamos a melhor. Apesar de não termos apresentado um bom desempenho, o importante foi sair com a vitória e somar esses quatro pontos na tabela de classificação”, explicou o técnico do Ginástico, Jefferson Teixeira.

Para sair vencedor, o Ginástico contou com uma boa exibição do ala/armador Daniel, autor de 14 pontos. Outros destaques da equipe foram o ala/pivô Boaz e o pivô Gedson, com dez e nove pontos, respectivamente. Pelo lado do Tijuca, os maiores pontuadores foram o ala Wesley, cestinha do jogo, com 17 pontos, e o armador Pitico, responsável por 12 pontos.

A Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB) é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB) em parceria com o Ministério do Esporte e tem a chancela da Confederação Brasileira de Basketball (CBB).

As equipes não iniciaram bem o confronto. Com muitos erros e um baixo aproveitamento nos arremessos, as equipes demoraram a se acertar na partida. Pelo Tijuca, o pivô Brunno teve uma boa atuação e marcou seis dos oito pontos da equipe na primeira parcial. Porém foi o time mineiro que fechou o período inicial na frente. Com um bom jogo coletivo, já que cinco jogadores pontuaram nos primeiros dez minutos de jogo, o esquadrão comandado pelo técnico Jefferson Teixeira largou na frente: 11 a 8.

O jogo melhorou no segundo período. Mais ligado, o clube carioca melhorou sua produção e não demorou a assumir a liderança do placar. Mas o Ginástico não se intimidou. Com bons lances do ala/armador Daniel, que inclusive foi responsável por um tiro de três pontos certeiro no último lance da parcial, a equipe manteve a partida equilibrada. Sendo assim, os cariocas fecharam a primeira metade do confronto com um ponto de vantagem: 26 a 25.

A volta dos vestiários foi totalmente favorável ao Ginástico. Logo no início do terceiro quarto, Daniel voltou a aparecer bem, anotou sete pontos praticamente seguidos e liderou o bom momento do time mineiro. Outro bom nome da equipe de Belo Horizonte na volta dos vestiários foi o pivô Gedson, responsável por dois arremessos certeiros da linha de três pontos. Com a boa atuação da dupla, o Ginástico chegou a colocar 12 pontos de frente (44 a 32). Mas, nos minutos finais do período, Pitico chamou a responsabilidade pelo Tijuca e foi fundamental para que a equipe diminuísse o prejuízo no placar para oito pontos (46 a 38).

A reação tijuca prosseguiu no início da parcial final e a equipe chegou a reduzir a vantagem dos adversários para apenas quatro pontos (46 a 42). Na sequência, o time alvinegro voltou a apresentar um bom desempenho e recolocou oito pontos de frente no placar (53 a 45). Mas o Tijuca não se entregou e com uma ótima exibição e Pitico na parte final do duelo, a equipe baixou a diferença dos rivais para um ponto (59 a 58), com 42 segundos para o término da partida.

Depois de uma sequência de erros dos dois lados, Luiz converteu dois lances livres e deixou o Ginástico com três pontos de frente (61 a 58), com 12 segundos para o fim do jogo. No lance seguinte, Pitico sofreu falta, mas converteu apenas um dos dois lances livres que teve direito. Com a chance de praticamente liquidar a fatura nas mãos, Luizinho, do time mineiro, foi para a linha dos tiros livres e falhou nas duas tentativas. Sendo assim, com pouco mais de seis segundos para o encerramento do duelo, o Tijuca teve a chance de empatar o duelo e forçar a prorrogação. Pitico buscou a jogada individual e não obteve sucesso. Na sequência, Wesley tentou o tapinha, mas também falhou e a vitória ficou mesmo com o esquadrão mineiro.

“Erramos algumas finalizações no início e isso nos atrapalhou um pouco durante o jogo, já que erramos alguns bolas até fáceis. Eles fizeram uma boa defesa e isso também dificultou nossas ações. Mesmo assim, tivemos a chance de reverter o cenário e até ganhar o jogo. Mas última bola é tudo ou nada e dessa vez não deu”, disse Pitico.